Visitantes:

Eu no mundo agora

130860794_3878761905470088_8670239664476

OUVI CHOVER POESIAS

 

Uma caneta, um papel

Um bloco de anotações

Ou um celular

Quem segura as emoções

De quem olha para o mundo

E olha o que ninguém quer olhar

 

Gotas caem entre as nuvens das ideias

Ouço o barulho das palavras

E tudo o que elas têm a dizer

Coloco as ideias nos versos

Não me canso de escrever

 

E se a hora passa e preciso dormir

Como mandá-las embora se não querem sair

Os dedos digitam, a mente se agita

Olhos animados em pela madrugada

Vem o cheiro de chuva, é a terra molhada

São as poesias temperando a Terra através da palavra

 

Floresce a vida, nasce uma flor...

Ouvi chover poesias e sai a pular

Quem toma banho de poesias sente a vida aflorar

Cada gota é um significado a experimentar

E depois da chuva a alma se acalma

É o renovo para depois recomeçar.

             

 

Priscila Cruz 

UMA IDEIA...

 

Uma ideia pode ser muita coisa...

Pode ser uma defesa ou uma ameaça

Pode ser esperança ou desgraça

A ideia que sai de uma cabeça se multiplica

Na medida em que é compartilhada, curtida, aceitada

E se não tiver cuidado, a ideia complica.

 

Uma ideia pode ser muita coisa...

Pode ser um avanço ou um retrocesso

Um caos ou um sucesso

Um abrir dos olhos ou manter a luz apagada.

 

Com a luz apagada não se enxerga nada

Com a luz apagada se anda sem saber a direção

Com a luz apagada não se lê

Não se vê

Não há como achar a saída

Não há como se olhar no espelho

Não há como traçar planos pra vida

Somente no labirinto dos pensamentos

Imaginar os passos, os movimentos

Pois passos também não há

A não ser para aqueles que de olhos vendados prefiram andar

Guiados por alguém que diz que sabe onde vai dar.

 

Uma ideia pode ser muita coisa...

Pode fazer ter, mas pode muita coisa tirar

Nunca é tarde para uma ideia analisar

Pois passos dados podem nunca mais voltar

E se o caminho for confuso

Uma ideia pode clarear

Ou ajudar a embaçar.

 

Uma ideia deve ser escolhida

Se vai ser apoiada ou não

Pois se escolher errado

Pode acabar com os sonhos de uma nação

E depois não poderá ser devolvida

Nem tão pouco apagar os passos dados.

 

Acender a luz...

Ver, ler, buscar e encontrar

Nem toda liberdade apoia o libertar

Nem tudo que é livre que ver você voar

Nem todo sonho ajuda a acordar

Não é porque existe corda

Que alguém vai se enforcar

Uma corda pode ser usada

Para muitas vidas salvar

Dependendo da ideia que vai alimentar.

 

Acender a luz...

Ter uma ideia

Dar as mãos para um futuro

Que ainda não está lá

Está no presente

E depende dos passos que vamos dar.

 

Priscila Cruz 

Acender a luz...

Ver, ler, buscar e encontrar

Nem toda liberdade apoia o libertar

Nem tudo que é livre que ver você voar

Nem todo sonho ajuda a acordar

Não é porque existe corda

Que alguém vai se enforcar

Uma corda pode ser usada

Para muitas vidas salvar

Dependendo da ideia que vai alimentar.

LENDO POR AÍ...

 

A e i o u são as vogais

E não podem faltar

Em todas as frases elas estão lá

As consoantes não ficam pra trás

Mas no alfabeto elas são muito mais.

 

A leitura é fascinante

Faz a gente imaginar

Olhar o mundo e entender

Viajar sem sair do lugar

Se atentar e perceber

Que na leitura não tem só frases

Tem texto, contexto, imagem

Tem um mundo que gira

E não pode parar

Olhe ao redor e confira!

 

Pra ler não tem hora e nem lugar

Basta olhar, pensar, e se conectar

Todos os significados fazem sentido,

quando damos vida ao que a palavra quer dizer.

 

Cada coisa tem seu tempo

Eu também esperei o meu tempo de aprender

Com o ensino da professora,

hoje eu sei que tudo fica mais difícil se a gente não ler

É como se o mundo visse, menos você.

 

E quando nos despertamos na leitura

Ficamos mais felizes, curiosos, espertos

E em tudo que acontece em volta

Ficamos de olhos bem abertos.

 

Nada pode passar sem antes eu interpretar

E no dia a dia vou compartilhando desta alegria

Que me faz bem e me leva pra frente

Por que será que que tem gente,

que não gosta de ler?

Deve ser porque ainda não entendeu,

que a leitura é como a comida

Precisamos dela pra viver.

 

Um alimento de todo o dia

Que nos deixa mais fortes

E com mais energia

Para buscar e não esperar pela sorte

Pra caminhar e ter um futuro

Pra decidir e não ficar em cima do muro

Pra acender a luz quando estiver escuro

Pra buscar por saída quando a porta fechar

Pra perder o medo, olhar pra frente e tentar

Pra ver a vida mais bonita toda vez que acordar.

E assim vamos lendo por aí

Vamos nos percebendo e desenvolvendo

Ah... Quantas coisas eu já li...

Mas quero ler muito mais

enquanto estiver por aqui.

 

 

Priscila Cruz 

VENTO LEVE...

 

Não seja leve, seja bem forte

Mas leve pra longe por favor

Toda essa sujeira, corrupção...

Todo esse terror

Porque a impressão que temos

É a de que estamos andando numa esteira

E nem venha me dizer que estou falando besteira

Porque não estou

 

Vento, leve pra bem longe, por favor

Esses dias sombrios, infinitos dias...

E junto com eles esse momento eterno

Que nos desaponta, esmorece

Que envergonha, entristece

Nos causa calafrios, náuseas, temor

Pavor, frustrações, mentiras...

E que tira de nós nossas convicções, nossa esperança

Nossa confiança...

Confiança em dias melhores, de comida na mesa

De ter mente sã, de olhar e ver amanhã

De ter noção, nação, pé no chão, certeza

 

Por favor, vento, leve pra bem longe

Mas não traga de volta

Porque o povo não mais suporta

Tanto descaso, regresso, imposto impresso

E nem sequer pode demostrar a sua revolta

É gás, é bomba, é o fim do caminho

Mas só ainda não morremos

Porque sabemos que juntos não estamos sozinhos

 

E o que é estar sozinho?

E lá vem uma gota de verdade.

E inunda e desmascara mostrando uma realidade

Não adianta estar junto se cada um segue o seu caminho...

 

Tenha força vento, e leve...

Seja como uma avalanche

Que arrasta tudo de repente

E leve cada ideia que se tem

De mexer no dinheiro da gente

De tirar a merenda da criança inocente

Que teria um lindo futuro pela frente

Mas que tropeça na incerteza de um país

Que caminha para algum lugar

Que é difícil de acreditar...

Mas que se arrasta, que treme

Que teme por dias piores

Mesmo sabendo que o melhor caminho

Não é TEMER .

 

Priscila Cruz.  

Céu de Resende... (Sem filtro).jpg
Foto: Priscila Cruz

ROSTO NA MULTIDÃO

 

Por que ser mais um rosto na multidão?

Ser mais fácil não significa ser a direção

Por mais que o caminho seja desconhecido

E que mesmo de olhos abertos não enxergue um palmo a sua frente

Feche os olhos e escute a sua mente

E se as escolhas forem confusas, duvidosas, arriscadas

Vá devagar não precisa ter pressa

As coisas da vida vêm em etapas como os degraus de uma escada

 

Sonhe, plante, carregue, solte, preserve, mude, insista, cante...

Meça, projete e faça

Olhe para frente e reme porque nada é de graça

E se alguém disser que não será possível

Feche os ouvidos e sinta o infinito

Quem fala que não dá e não ajuda a fazer

É porque nem tentou e não quer ver você vencer

 

Vá, não pare, mesmo que haja frustrações

Sinta cada dor, cada perda, se renove de forças e vá adiante

Seja risos, seja choros, seja vivo, seja emoções, seja radiante

E se se cortar e sangrar, se perdoe ao errar

Ninguém está aqui só para acertar

Respire fundo, olhe nos olhos e deixe o tempo cicatrizar

Ninguém consegue ser por muito tempo o que não é

Só o tempo dirá...

 

Por que ser mais um rosto na multidão?

Um rótulo a mais no mercado em expansão

Girando em torno de algo que não faz sentido

Buscar por aquilo que nem mesmo você dá ouvido

Fazer qualquer coisa se pode fazer o seu melhor

Porque não tem jeito, a gente colhe o que planta

E não adianta resmungar e nada fazer

Está ruim agora, amanhã pode ser pior

 

Ande cada passo no seu tempo

Não precisa ter pressa

Só não fique aí parado

Porque o tempo passa depressa

Calma! Não se afobe, mas também não deixe passar

Aquela chance que veio pode nunca mais voltar

Capriche, olhe com os olhos de quem vê

Uma vitória ali na frente mesmo que ela esteja longe de você

Ame, cuide, regue, porque em breve você irá colher.

 

 

Priscila Cruz 

Poesia premiada no concurso Poesia na Escola em 2016.

LUGAR SECRETO

 

 

Eu quero me encontrar...

Em um lugar secreto

Onde eu tenha a chave e possa entrar sempre que quiser

E ver as coisas mais belas sempre que nele estiver

 

Longe de toda esta confusão

Longe do caos que gira em torno de nós...

Em um lugar onde a paz e a esperança possam estar

E a maldade e o perigo não possam nos rondar

 

Um lugar secreto além de discreto

Onde caibam todos que saibam amar

Onde toque a perfeita sinfonia

Onde não haja agonia

Onde a vida é celebrada a cada dia...

 

Em um lugar seguro

Onde não haja medo...

Nem a correria da cidade

Onde reine a plena tranquilidade

Onde poderemos encontrar o que há de mais belo nas pessoas...

Um lugar bem perto da felicidade

 

Onde quem chegue não queira sair

E quem quiser sempre poderá vir

Neste lugar todos poderão se ajudar

Não há porque disputar, pois todos terão lugar

Este lugar existe, basta sonhar...

Dentro de nós ele sempre existirá.

 

 

Priscila Cruz 

20180921_095004.jpg
Foto: Priscila Cruz

EU, TU, ELES NO PALCO DA VIDA

 

Aqui é o lugar que eu quero estar

Aqui as horas passam

Diferentes de como passam lá

Aqui o tempo é sinônimo de vida

Encontro, reencontro

 

Desafios são lançados

Na sala das possibilidades

No palco da vida

Todos circulando!

Encostados, apertados, interpretados, interpretando...

 

Todos circulando!

Pensando, dançando, caminhando

Encorajando, despertando...

Sentimentos a flor da pele...

A mínima distância entre o que se quer

E o ato de fazer

 

E vai dizer que não consegue?

Logo vem à memória uma trajetória

Em cima de um caminhão de melão

Com vinte e cinco reais se faz história!

Um sonho, caminhos

Sonho que é sonho não se sonha sozinho

Risos, dores, amores, espinhos

O tempo passa e a caminhada continua

No palco da vida, eu, tu, eles

Vamos sendo

Estamos em construção

Estimulados, interessados, em conexão

Desvendando nossos eus

Vamos nos abrindo

A uma nova formação.*

Priscila Cruz 

*Poesia em homenagem ao curso de teatro No Palco da vida, ao seu criador Wal Schneider e a todos que participam deste projeto contribuindo para que ele esteja vivo.

capa-livro.jpg

Mas é preciso olhar além

Trabalhar, refletir e projetar

Uma formação contínua,

nunca parar de estudar

Ser mais do que ter

Se organizar, resistir e seguir

Olhar a vida e perceber

O motivo pelo qual estamos aqui

Se permitir errar, tentar, acertar...

Priscila Cruz

O TEMPO E A VIDA...

 

O tempo leva a vida

E a vida se vai com o tempo

Acorda, levanta, trabalha, estuda, come, dorme...

Corre! Corre! Corre!!!

O tempo está passando!

No silêncio de uma casa o objeto lembra

O tempo passa

O tempo passa

O tempo passa

O tempo passa...

 

Alguém que já se foi lembra-nos

Que “o tempo não para”

E o mundo gira...

Como um cachorro aflito

Que não consegue alcançar seu próprio rabo

E roda, roda, roda...

E não enxerga nada além de seu rabo.

 

E o mundo não se cansa se girar

E a hora não para de passar

E a vida segue, nem sempre segue, mas segue...

Deixando o que é velho para trás e glorificando o que é novo

Homem primata

Capitalismo selvagem

 

E como uma ideia que já não tem mais importância

Lá se vão as histórias...

Histórias de vidas, histórias vividas, histórias interrompidas

Sofridas, escondidas...

Legião de histórias...

Misturadas, sozinhas, juntas, separadas...

 

E o tempo leva a vida...

Sem querer saber se queremos ser levados

Ele nos puxa, sacode, empurra, levanta, derruba...

E sem menos esperar nos leva

Para um lugar onde a vida não mais consegue explicar

Se a história vai continuar.

 

 

Priscila Cruz 

ANOITECEU EM CHAMAS

 

Uma noite de domingo

Depois de um dia lindo

Sol, céu azul, havia um horizonte

Mesmo sem saber como atravessar a ponte

 

O passado... Nossa história estava lá

Uma notícia veio anunciar

Que tudo corria o risco de queimar

Não quis acreditar

 

O tempo passou

E o fogo se alastrou

Parecia um pesadelo

Olhar aquela cena triste

Queimando todo o acervo

Nossa memória que estava ali

Não mais existe no material

 

Ficaram as lembranças

Mesmo que venham tristes

Por saber que tudo poderia ter sido diferente

Se tivéssemos um governo competente

Que governasse e respeitasse o que é da gente

 

Em meio às cinzas falam em reconstrução

Não há como reconstruir toda a história de uma nação

De um passado que não volta mais

E sem passado o futuro se desfaz

 

Na fumaça do descaso e na companhia da angústia

Brasil, como olhar pra frente,

com um passado ausente?

Brasil, meu Brasil... Não vou te trair

Enxugarei as lágrimas e continuarei a seguir

Luto, a luta continua

Um minuto de silêncio e quem sabe um dia

Teremos o direito de ser respeitada

A nossa cidadania.

 

 

Priscila Cruz. 

museu_nacional_790x505_02092018213551.jp
Foto: Futura Press/Folhapress.

Biografia

_MG_8869.JPG

Priscila Cruz

Professora, pesquisadora e poetisa. Nasceu em 1984. Cursou Pedagogia na UFRJ e hoje atua na área de Educação. Amante da Arte literária, lê e escreve poesias entre outros gêneros textuais. Participou do concurso Poesia na Escola em 2016, sendo premiada e contemplada com sua poesia "Lugar Secreto" na edição de exemplares fornecidos pela Prefeitura do Rio de Janeiro.

Gosta de viajar, ler de madrugada e escrever nos momentos mais inesperados do dia, quando a inspiração acontece. Aprecia os momentos felizes e tristes da vida. 

Escreve desde a adolescência, mas somente agora tem colocado em prática seus planos de publicações.

Escreve sobre diversos temas. Apaixonada por livros, músicas, teatro, e fotografias.

 

Frases e trechos

Se nós tocarmos o céu

Apenas um toque no céu

O amor não terá fronteiras

A justiça estará em nós, será nossa companheira

Não teremos medo de caminhar

Estaremos juntos para nos ajudar

Teremos um futuro possível, um horizonte

Pois cada um de nós seremos a ponte

Ande cada passo no seu tempo

Não precisa ter pressa

Só não fique aí parado

Porque o tempo passa depressa

Calma! Não se afobe, mas também não deixe passar

Aquela chance que veio pode nunca mais voltar

Capriche, olhe com os olhos de quem vê

Uma vitória ali na frente mesmo que ela esteja longe de você

Ame, cuide, regue, porque em breve você irá colher.

Priscila Cruz

Priscila Cruz

 
 

Contatos

Priscila Cruz

Visite o site e compartilhe para fazer chover poesias.

  • YouTube
  • Facebook Social Icon
  • Instagram Social Icon